[Vídeo] – Elefantíase

Elefantíase, Foto: Internet.

A elefantíase, ou filariose, é uma doença parasitária que afeta a circulação linfática. Esta
infecção é causada por um nematódeo que promove uma reação inflamatória nos vasos linfáticos, causando uma obstrução funcional e fazendo com que a perna afetada, por exemplo, fique muito dilatada – assemelhando-se a pata de um elefante.

Diagnóstico da elefantíase

O diagnóstico da elefantíase é feito a partir da observação do indivíduo e de suas queixas, e pode ser comprovado através do exame de sangue.
A elefantíase é uma doença de diagnóstico tardio porque evolui muito lentamente ao longo dos anos. O agente causador vai multiplicando-se dentro do indivíduo, mas gera sintomas que podem ser confundidos com outras doenças. O principal sintoma que é o inchaço exagerado dos membros pode ocorrer muito tempo depois da contaminação.


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Sintomas da elefantíase

Os sintomas da elefantíase são:
  • febre elevada;
  • dor de cabeça;
  • dor muscular;
  • intolerância à luz;
  • reações alérgicas
  • asma;
  • coceira pelo corpo;
  • pericardite;
  • linfedema dos braços, pernas, mamas ou escroto
Este sintomas podem surgir de 1 mês até 10 anos após a picada do inseto.

Causas da elefantíase

A elefantíase é causada pela picada do mosquito Aedes aegypti, o mesmo que causa a dengue; Anapholes ou Mansonia, à noite ou da mosca varejeira.

Transmissão da elefantíase

Ao picar o indivíduo, a larva presente no mosquito, ou na mosca, é transmitida e instala-se na corrente linfática, gerando os sintomas da doença.
O indivíduo infectado não passa a doença para outros, mas se um mosquito o picar pode contaminar-se e contaminar outros com a sua picada, mesmo que este indivíduo ainda não tenha manifestado todos os sintomas da doença.

Tratamento da elefantíase

O tratamento da elefantíase é feito com a ingestão de medicamentos, como o Dietilcarbamazina ou Albendazol, e por vezes, é necessário a realização de cirurgia para correção do sistema linfático.


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Prevenção da elefantíase

A prevenção da elefantíase é feita com o uso de mosquiteiro para dormir; telas nas janelas e nas portas; evitar deixar água parada em pneus; garrafas e vasos de plantas, por exemplo; usar repelente diariamente; evitar locais com moscas e mosquitos, e cabe ao governo utilizar meios para combater as moscas e mosquitos como a pulverização de venenos pelo ar, como o fumacê e as medidas de saneamento básico.


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

         

Recomendamos o Canal acima!

By | 2017-11-10T12:03:48+00:00 novembro 18th, 2015|Categories: Colunista_Viviane_Lander, corpo humano, Destaque, Necrópsia, Sem categoria|0 Comentários

Sobre o Autor:

Deixar Um Comentário

This Is A Custom Widget

This Sliding Bar can be switched on or off in theme options, and can take any widget you throw at it or even fill it with your custom HTML Code. Its perfect for grabbing the attention of your viewers. Choose between 1, 2, 3 or 4 columns, set the background color, widget divider color, activate transparency, a top border or fully disable it on desktop and mobile.

This Is A Custom Widget

This Sliding Bar can be switched on or off in theme options, and can take any widget you throw at it or even fill it with your custom HTML Code. Its perfect for grabbing the attention of your viewers. Choose between 1, 2, 3 or 4 columns, set the background color, widget divider color, activate transparency, a top border or fully disable it on desktop and mobile.